in

Colégio Pedro II é referência em ensino público, você conhece a história dessa instituição?

Apesar de ser uma instituição de âmbito federal, o Colégio Pedro II está presente apenas no estado do Rio de Janeiro, com apenas 2 de suas 14 unidades fora da capital do estado. Em questão de ensino, o Colégio é referência de educação pública de qualidade e atrai alunos de várias regiões do estado – reflexo de famílias que acreditam no valor da educação.

Para se ter ideia, o Colégio Pedro II tem quase 200 anos de história, então é fácil compreender que a história dessa instituição se mistura com a história do próprio País. O CP2 é o terceiro colégio a ser criado no Brasil, ficando atrás apenas do Ginásio Pernambucano (que é o colégio mais antigo em atividade no Brasil) e do Atheneu Norte-Riograndense. Enquanto o Ginásio Pernambucano (1825) e o Atheneu (1834) são instituições estaduais, o CP2 (1837) é um Colégio federal, embora só exista no Rio de Janeiro.

O CP2 foi fundado poucos anos após a dissolução do período colonial e, talvez por isso, leva o nome do Imperador D. Pedro II, que também foi eleito patrono da escola. Um dos principais problemas levantados contra o CP2 atualmente é o fato de que alguns poucos tem acesso a uma educação básica pública de qualidade, enquanto outros milhares enfrentam dificuldades no sistema público de ensino.

A questão, no entanto, se torna ainda maior quando se observa a história da escola já que desde sua fundação a ideia nunca foi oferecer educação para todos, mas sim preencher um quadro, um quantitativo. A educação no CP2 sempre foi de excelência, mas o alcance sempre foi limitado a alguns poucos, o suficiente para gerar burocratas.

Um exemplo de como o Colégio sempre ofereceu ensino de qualidade desde sua fundação é o fato de que os alunos saiam do Pedro II com título de bacharéis em Letras e Ciências, a exemplo dos modelos europeus. Mesmo depois da proclamação da República, por um bom período, os jovens formados no Colégio Pedro II recebiam titulação de bacharéis.

Apesar de já estar inteiramente integrado ao imaginário municipal, a verdade é que a Unidade Escolar Descentralizada, o CP2 Niterói, foi inaugurado apenas em 2006. São apenas 14 anos de Colégio Pedro II na cidade de Niterói, mas já foi suficiente para tornar este campi um dos mais bem-sucedidos da escola. O campi Niterói tem a melhor média no enem dentre as outras unidades, por exemplo, sendo seguido por Centro-RJ e Duque de Caxias.

O Colégio Pedro II somando todas as suas unidades já formou milhares de alunos e alguns deles se tornaram ilustres devido a suas trajetórias. O jurista Luiz Fux, Leci Brandão, Lima Barreto, Luiz Pinguelli, Mr. Catra, Pedro Américo, Nilo Peçanha, Floriano Peixoto, Hermes da Fonseca e Washington Luis são alguns dos nomes que podem ser citados.

Mas a verdade é que essa lista se torna cada vez maior ao passo que o tempo passa. Cássia Eller também estudou no CP2, por exemplo.  Arlindo Cruz, Jorge Piciani, Fátima Bernardes, Jesus Luz… A lista continua enquanto você estiver disposto a pesquisar porque são anos e anos formando múltiplas turmas.

Além do Colégio Pedro II, Niterói também abriga o Liceu Nilo Peçanha há 170 anos, que é outra instituição que remonta a períodos pré-republicanos. O Imperador Dom Pedro I desejava criar uma rede de ensino centralizada que atendesse a todo o território nacional, mas os planos se frustraram e cada região (o que hoje se compreende como estados) acabou sendo responsável por administrar seu próprio sistema de ensino secundário, hoje o ensino médio. Assim nasceram os conhecidos Liceus.

No Rio de Janeiro, a primeira Unidade foi fundada em Angra dos Reis, depois Niterói e Campos dos Goytacazes receberam suas unidades. Até hoje, o Liceu Nilo Peçanha também se destaca dentro de Niterói por sua estrutura e nível educacional, geralmente, visto como muito bom. Por todo o Brasil, algumas instituições que remanesceram dos Liceu originais ainda ditam um padrão.

O nome Liceu pode ser tanto uma referência ao ginásio que existia próximo a Atenas, na Grécia Antiga, como escola filosófica fundada por Aristóteles. De toda forma, é uma referência ao ensino de excelência que se base em debate e troca de ideias. O quadro de ex-alunos ilustres da escola também surpreende. Rubem Cesar Fernandes, Levi Carneiro, Carlos Langoni, Roberto Silveira e Baby do Brasil são alguns dos nomes.

Escrito por Roberta Reis

Procuro dar preferência a redação de notícias políticas, sociais, curiosidades, casos inusitados e notícias positivas.

Codim, em Niterói, é esperança de atendimento para mulheres vitimas de violência doméstica

Em 107 anos de existência, a UFF formou incontáveis alunos – conheça alguns ex-alunos ilustres