PUBLICIDADE


Condenada pelo assassinato da pequena Isabella Nardoni, confira como está a vida de Anna Carolina Jatobá

Mais novidades sobre o caso que revoltou o Brasil.

O episódio do homicídio de Isabella Nardoni revoltou os cidadãos brasileiros, no ano de 2008. O falecimento da criança ganhou destaque na mídia do Brasil na época, repercutindo até hoje. O pai, Alexandre Nardoni, e sua mulher, Anna Jatobá, foram condenados por assassinar a menina de apenas cinco anos de idade.

PUBLICIDADE


Anna Carolina Jatobá era madrasta da pequena Isabella e atualmente cumpre pena pelo assassinato em uma penitenciária feminina, localizada em Santa Maria Eufrásia Pelletier, na cidade de Tremembé, em São Paulo. Mesmo cumprindo pena, Anna acabou levando uma punição, depois de cometer uma falta considerada grave pela justiça brasileira.

A moça acabou perdendo o direito ao regime semiaberto. De acordo com as informações da Secretaria de Administração Penitenciária (SAP), a moça estaria em uma chamada de vídeo com a advogada. Além disso, a defensoria conseguiu intermediar uma ligação dela para os familiares, o que não é permitido pela instituição.

O local onde Anna está é bastante famoso, isso porque outras condenadas que ganharam destaque na mídia pelo tipo de crueldade cometida nos crimes são levadas para essa penitenciária. Lá se encontra Suzane Von Richthofen e Elize Matsunaga. Atualmente, a madrasta de Isabella acabou regredindo e deve voltar ao regime fechado.

PUBLICIDADE


Esta falha ocorreu quase três anos depois que a moça conseguiu a progressão ao regime semiaberto.

O Ministério Público já deu o aval e considerou uma falha muito grave. A instituição prisional falou que, por causa da pandemia do covid-19, ligações por vídeo conferência acabaram se tornando um recurso permitido. Mas esse recurso só está permitido para que o preso tenha contado com seu advogado ou até mesmo os juízes e oficiais de justiça.

PUBLICIDADE


Vale lembrar que o assassinato da pequena Isabella deixou todos revoltados na época e, toda vez que o caso volta à tona, a população relembra a indignação sentida.

Autor