in

Depois dessa matéria, você não vai ter mais motivos para não visitar a Região Oceânica de Niterói

A menos que você seja surfista, é possível que você nunca tenha ouvido falar na Região Oceânica de Niterói. Muitas pessoas se confundem sobre as fronteiras da cidade com Maricá e acabam assumindo que algumas praias de Niterói pertencem ao município vizinho. Itaipu, por exemplo, pode facilmente ser confundida com Itaipuaçu (essa sim, em Maricá). Mas nem só de praias vive a RO.

Para começar, é bom se familiarizar com os bairros que compõem a Região Oceânica, que são: Serra Grande, Piratininga, Santo Antônio, Maravista, Jardim Imbuí, Itaipu, Jacaré, Pendotiba, Engenho do Mato, Itacoatiara, Camboinhas e Cafubá. Alguns como Itacoatiara, Piratininga e Camboinhas talvez você tivesse ouvido falar, mas você conhecia todos esses bairros?

O que você precisa saber sobre a Região Oceânica? Em primeiro lugar, esse de fato é o destino para a maior parte dos banhistas da região que querem curtir praia, mas não gostam de águas de baía, como são conhecidas as praias de Icaraí e São Francisco. Por serem banhadas pela Baía de Guanabara, é comum que as águas dessas praias não sejam tão atrativas para banho, tornando a Região Oceânica um paraíso para banhistas da cidade, e de cidades vizinhas. No estado do Rio de Janeiro, provavelmente Saquarema é considerada a capital do surf e provavelmente poucas pessoas tentam contestar esse título, mas as águas de Itacoatiara também apresentam agitação propícia para a prática do esporte e, por isso, costuma receber competições de surf.

Praia de Itaipu. Imagem: CulturaNiteroi

De maneira geral, a praia de Itaipu é a única com águas calmas para banho, por estar próximo a enseada. Outra praia que costuma ser adorada por visitantes é a Praia do Sossego, mas isso se deve também ao fato de ser isolada e exigir trilha para ser alcançada (ou a chegada por meio de barcos/jet-skis). As demais praias, no entanto, embora recebam banhistas, não costumam ter águas calmas. Vale a pena pesquisar ainda as praias de Camboinhas e Piratininga para escolher o destino que mais agrada.

Imagem: CurtaRJ

Para quem gosta de contato com a natureza, outras excelentes pedidas são as áreas de proteção ambiental, como o Parque da Cidade. Um dos maiores apelos do lugar é a vista, já que é usado por praticantes de parapente. Fundado em 1976, o Parque possui uma área de cerca de 150 mil metros e é uma região de preservação ambiental. A cerca de 270 metros de altura, a vista é de tirar o fôlego e permite uma visão ampla da cidade aos seus pés e também da cidade do Rio de Janeiro.

Imagem: DestinosdoRio

O visitante pode conferir a vista de duas rampas em diferentes posições e alturas que valem muito a pena. Para chegar até lá, o visitante pode ir de ônibus até a praia de São Francisco e terminar o trajeto a pé ou por carro de aplicativo. O trajeto a ser percorrido a pé é de subida e se estende por cerca de 2km, então esteja ciente disso ao tomar sua decisão.

Outro lugar que merece atenção, mas não deve ser visitado sem guia credenciado, é a Reserva Darcy Ribeiro. O lugar é imenso e comporta diferentes bairros da cidade, em uma extensão de terra preservada da Mata Atlântica. É possível realizar trilhas no local, no entanto é preciso ser responsável e cuidadoso para não se colocar em risco. Alguns trechos da Reserva são de mata fechada, então não é recomendável a visitação sem orientação.

Imagem: VamosTrilhar

Seguindo o estilo da Reserva, mas com trilhas um pouco mais fáceis, existe o Parque Estadual da Serra da Tiririca que conta com algumas trilhas como Costão, Pedra do Elefante, Enseada do Bananal e Morro das Andorinhas. É claro que se você não tem experiência com trilhas e deseja essa aventura, não dispense um guia credenciado, afinal de contas, ainda se trata de mata e terrenos perigosos. Vale a pena a emoção e a saída da rotina, mas não vale a pena abrir mão da sua segurança por isso. Dito isso, a Serra da Tiririca é um local muito visitado por aventureiros que desejam um contato maior com a natureza, alguma adrenalina e a garantia de um visual impagável ao fim da trilha.

Assim como nos casos da Reserva e do Parque da Cidade, o Parque da Serra da Tiririca também integra uma área de proteção ambiental. Sendo assim, vale a pena dizer que qualquer visita a qualquer um desses lugares precisa seguir algumas normas, especialmente no que diz respeito ao respeito ao meio-ambiente.

Escrito por Roberta Reis

Procuro dar preferência a redação de notícias políticas, sociais, curiosidades, casos inusitados e notícias positivas.

Em 107 anos de existência, a UFF formou incontáveis alunos – conheça alguns ex-alunos ilustres

O quão bem você conhece Niterói? Conheça alguns centro culturais presentes na cidade