PUBLICIDADE


Dor e tristeza: mulher desenterra o corpo do filho em Garanhuns e caminha com o defunto nos braços

Ela procurou um funcionário do cemitério e pediu ajuda para encontrar um lugar onde pudesse trocar a fralda da criança.

Algumas histórias têm o poder de comover completamente aqueles que as escutam. É exatamente o caso desta jovem de 22 anos, que acabou precisando ser amparada depois de fazer algo que ninguém poderia imaginar.

PUBLICIDADE


Há cerca de um mês atrás, a jovem perdeu seu filho de pouco mais de um ano. O golpe foi duro de suportar, mas ela precisou seguir em frente. No entanto, na última quinta-feira (16), a dor foi maior do que a razão e ela tomou uma atitude desesperada.

A mulher se dirigiu até o Cemitério Parque das Rosas, onde o filho estava sepultado, e violou a cova da criança. Com os restos mortais do filho nos braços, ela procurou um funcionário do cemitério e pediu ajuda para encontrar um lugar onde pudesse trocar a fralda da criança.

O homem, percebendo que algo estranho estava acontecendo, acionou o SAMU e também as autoridades de vigilância sanitária da cidade. A mulher foi amparada pelos socorristas do SAMU e levada para o hospital local, onde foi avaliada.Os restos mortais da criança foram entregues ao serviço de vigilância e também à empresa funerária que havia feito o sepultamento. A mulher passou a noite no hospital recebendo cuidados médicos e ainda não havia recebido alta até hoje pela manhã.

PUBLICIDADE


Não foram divulgados mais detalhes do caso, como o nome da mãe ou o motivo da morte da criança. A mulher, no entanto, parece estar sofrendo de um surto em decorrência do luto pela morte do filho.

A reportagem do G1 ouviu a profissional de saude mental, Érika Mendonça, especialista em questões de luto, que destacou o quão importante é para a pessoa enlutada passar pela dor de forma apropriada, ou seja, se “permitir” sentir a dor.

PUBLICIDADE


Mendonça explicou que, muitas vezes, discursos como “a vida segue” podem ser perigosos porque impedem a pessoa que viver a dor da perda e processar essa informação de forma saudável.

Autor