PUBLICIDADE

“Eles vão me matar”: novas transcrições dos áudios captados pelas câmeras do uniforme dos policiais revelam últimos minutos da vida de George Floyd

Além de alertar os policiais sobre a falta de ar, Floyd chamou pelos filhos e pela falecida mãe repetidas vezes.

George Floyd foi transformado em um símbolo da luta antirracista nos Estados Unidos da América. O homem foi morto recentemente por um policial à luz do dia, na frente de várias pessoas que tentavam argumentar com os policiais. O caso se tornou emblemático.

PUBLICIDADE

O homicídio de George Floyd se tornou um dos mais marcantes da história da luta antirracista nos EUA. Vídeos mostram os últimos 9 minutos agonizantes do homem, que foi asfixiado em um golpe de estrangulamento pelo joelho do policial Derek Chauvin.

Agora uma nova informação foi divulgada e expõe ainda mais a crueldade dos policiais envolvidos no caso. George alertou que não conseguia respirar não “algumas vezes”, como os vídeos das testemunhas mostravam, mas vinte vezes.

Além de alertar os policiais sobre a falta de ar, Floyd chamou pelos filhos e pela falecida mãe repetidas vezes. Em dado momento da transcrição, George afirma “estou morto”. “Eles vão me matar”, foi outra frase dita por Floyd ao longo dos 8 minutos.

PUBLICIDADE

Ainda na transcrição, não se sabe em que altura dos 8 minutos, George afirma “diga aos meus filhos que os amo”. Floyd também se declarou para a mãe, que já é falecida. Ele tentou a todo momento alertar os policiais de que não conseguia respirar.Antes de ser jogado no chão, Floyd resistiu a entrar na viatura afirmando que não conseguia respirar por ser claustrofóbico. Todo o tratamento brutal destinado a ele teve como justificativa uma suposta nota falsa de 20 dólares, que nunca foi apreendida.

As transcrições mostram ainda outros detalhes importantes para o indiciamento por homicídio doloso (em segundo grau, nos Estados Unidos).

PUBLICIDADE

Diversas pessoas que estavam na rua pedem para que os policiais interrompam a ação, pois o homem estaria sem movimento. Também pedem para que chequem o pulso do mesmo, já que parecia estar desacordado. Ainda assim, as investigações mostram que Chauvin permaneceu com o joelho no pescoço de Floyd por mais 2 minutos aproximadamente.

Autor