PUBLICIDADE

‘Era uma festa, mas virou autoextermínio’, diz mãe de jovem internado em estado grave com Covid-19

O Brasil vive o pior momento da pandemia da Covid-19.

Mesmo diante de uma tragédia humanitária causada pelo agravamento da pandemia da covid-19, milhares de pessoas insistem em não respeitar o distanciamento social, em não cumprir as regras sanitárias, como por exemplo, o uso de máscaras.

PUBLICIDADE

Há semanas que a maioria das capitais dos estados brasileiros vem alertando para o colapso do sistema de saúde, hospitais lotados, pacientes graves com a Covid-19 aguardam por uma vaga em UTI (Unidade de Tratamento Intensivo), por dias e infelizmente muitos morrem sem o atendimento adequado.

Diante do descontrole da pandemia e de recordes diárias de mortes, as festas clandestinas ainda estão acontecendo, assim como os pancadões que acontecem em diversas comunidades nas grandes cidades.

O relato desta mãe ilustra de maneira muito clara o que vem acontecendo nos grandes centros, neste caso, Maria de Lourdes, de 56 anos, foi recém-diagnosticada com a Covid-19, aguardava um transporte público para retornar para sua casa, na zona norte de São Paulo.

PUBLICIDADE

Após passar pelo médico foi orientada a voltar para casa já que a capital paulista está com o sistema de saúde em colapso. Mesmo doente, a sua maior preocupação é o filho de 31 anos, que por causa da Covid-19 precisou ser internado em uma UTI, no Hospital Municipal de Brasilândia.

Maria Lurdes contou que mesmo com todos os avisos, o filho insistia em sair todos os fins de semana em busca das festas clandestinas. Ela revelou que mostrava para o jovem os casos na televisão, mesmo assim ele não lhe dava atenção e continuou saindo mesmo sabendo que a situação estava muito pior.

PUBLICIDADE

 

“A gente avisa. Eu falava dos casos na televisão, mas não tinha jeito. Ele ia para essas festas no final de semana. E tem de tudo, né? Bebida, mulheres, muita gente. Os moradores da comunidade odeiam. A gente já tinha medo antes, com esse vírus ficou pior. Era uma festa, mas virou suicídio”.

Foi o filho que transmitiu a Covid-19 para Maria que disse ter tomado todas as medidas que estavam ao seu alcance para evitar o contágio.

 

Autor