PUBLICIDADE

Família abre o caixão durante velório e leva susto ao descobrir que idosa com Covid-19 não morreu

Maria de Conceição Oliveira foi diagnosticada morta, com sintomas da Covid-19, porém seu neto teve uma surpresa ao abrir o caixão.

Maria da Conceição Oliveira, de 68 anos, foi dada como morta, até que os parentes abrirem o caixão no velório.

Quando a família de dona Maria da Conceição foi abrir o caixão durante o velório da senhora, acabou por descobrir que o corpo que estava lá não era o da idosa.

PUBLICIDADE

Mesmo com a emissão da certidão de óbito, dona Maria estava bem viva, sendo encontrada em um quarto do Hospital Abelardo Santos, no Pará.

De acordo com informações do G1, a senhora tomava medicamentos para conter sintomas do covid-19.

Conforme a família relata, a idosa apresentou sintomas da doença e foi internada dia 30 de abril. Depois, teve uma melhora, e as tomografias feitas revelaram progresso na recuperação do órgão do pulmão.

PUBLICIDADE

Desde a internação, a família não teve nenhuma notícia da senhora, mas dia 1º de maio recebeu uma certidão de óbito da senhora.

Tallya Fernandes, parte da família de dona Maria, conta que o corpo foi levado por uma funerária contratada por eles.

PUBLICIDADE

Um dos filhos de dona Maria questionou um funcionário do local sobre como a mãe estava, então ele respondeu, “bata vermelha, cabelos brancos”.

Foi aí que a família se alertou, porque dona Maria não tinha cabelos brancos e nenhuma bata vermelha tinha sido enviada.

Tallya conta ao G1 que o neto da dona Maria, ao abrir o caixão, levou um susto, porque percebeu que não era a avó.

Após perceber a troca do corpo, os familiares correram para o hospital. Então, o neto teve de analisar mais de 30 corpos, correndo risco de saúde, e não encontrava a senhora.

PUBLICIDADE

A família de dona Maria só descobriu que ela estava viva por conta de uma enfermeira que ajudou.

A profissional então fez uma chamada de vídeo para comprovar a família.

A família fez um boletim de ocorrência contra o ato cometido pelo hospital. A Sespa enviou uma nota ao G1 e notificou que o erro foi reconhecido, porém cometido devido ao número grande de doentes e mortos em um hospital sem estrutura.

 

Autor