PUBLICIDADE

Fantástico divulga identidade de homem filmado destruindo homenagem às vítimas do covid-19

No twitter, outros fatos relacionados a vida pessoal do engenheiro aposentado estão sendo divulgados, alguns de acesso público.

No último dia 11, uma organização não governamental promoveu uma ação nas areias da praia de Copacabana como meio de homenagear as vítimas do novo coronavírus. Eram 100 covas cavadas na areia da praia, abertas e marcadas por uma cruz cada.

PUBLICIDADE

O ato seguia de forma silenciosa e pacífica. Muitas pessoas passaram e observaram a manifestação, mas um pequeno grupo de homens decidiu hostilizar os organizadores e um homem em particular decidiu derrubar as cruzes.

A cena circulou o mundo, especialmente pela reação natural e espontânea do taxista Marco Antônio do Nascimento Silva, que caminhava por ali com a esposa. O casal perdeu um filho de 25 anos, saudável, para o vírus.

Marco Antônio reagiu reerguendo as cruzes e pedindo solidariedade e respeito. Enquanto ajudava a restaurar as covas, ele falou de forma muito emocionada ao grupo de pessoas que estava no calçadão hostilizando os organizadores.

PUBLICIDADE

A cena foi tão intensa que o homem filmado derrubando as cruzes acabou tendo sua identidade divulgada. ‘O Fantástico’, da TV Globo, conseguiu apurar que o homem se chama Héquel da Cunha Osório, e se trata de um aposentado de 78 anos.

No Twitter, outros fatos relacionados a vida pessoal do engenheiro aposentado estão sendo divulgados, alguns de acesso público.

PUBLICIDADE

Já o portal Terra conta que o aposentado passou a ser hostilizado dentro de casa, depois que seu endereço foi divulgado em redes sociais. Vizinhos confirmam que o aposentado passou a ser alvo de ataques dentro e fora do condomínio.

Ainda de acordo com o portal, vizinhos confirmaram que se questionados os funcionários do prédio são orientados a informar que não tem ninguém em casa, mesmo que não seja verdade. A cena revoltou muita gente.

O protesto realizado na praia de Copacabana foi organizado pela ONG Rio de Paz, que atua há anos na cidade e já promoveu outros protestos pelas areias da praia.

Autor