PUBLICIDADE

Idosa que foi flagrada xingando estudante de ‘chinesa porca’ foi indiciada por crime de racismo

Caso aconteceu em janeiro, idosa já foi acusada outras duas vezes por crime de injúria.

Em janeiro deste ano, quando o surto de coronavírus começava a estourar na Ásia, uma jovem estudante foi xingada no metrô do Rio de Janeiro. Marie Okabayashi denunciou o caso a polícia, mas também fez um vídeo de desabafo no Instagram.

PUBLICIDADE

O caso ganhou repercussão e acabou sendo noticiado nos principais sites de notícia do país. A jovem, descendente de japoneses, é estudante de Direito na UFRJ e estava indo de Copacabana para o Centro da cidade.

Na época, Marie revelou que logo que chegou no vagão já começou a ouvir os insultos e ataques. Em dado momento, a idosa chegou a chamar Marie de “chinesa porca”, enquanto afirmava que todos os asiáticos tinham o vírus.

Depois de registrado o boletim de ocorrência, um inquérito foi aberto pela Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi) e só agora foi concluído. A idosa acabou indiciada pelo crime de racismo e vai responder na justiça.Caso condenada, a idosa pode pegar até 3 anos de cadeia e pagamento de multa. O caso gerou muita discussão nas redes sociais na época, especialmente pela pandemia do novo coronavírus, mas também pelo crime de racismo.

PUBLICIDADE

Muitas pessoas foram pegas de surpresa ao descobrirem que o crime não se aplica apenas a crimes cometidos contra pessoas negras. Nesse caso, o relatório do inquérito detalha que a idosa profere insultos racistas em voz alta.

No caso de Marie, por exemplo, fica claro que se trata de um crime de racismo, e não apenas injúria racial, porque a idosa tem intenção de agredir toda a coletividade de pessoas asiáticas. Isso fica claro pelo fato de Marie ser de ascendência japonesa e ter sido chamada de “chinesa porca”.

PUBLICIDADE

A lei contra o racismo tem pouco mais de 30 anos no Brasil, mas embora demostre um grande avanço, também é criticada por lideranças pela sua baixa efetividade. A identidade da idosa não foi revelada, mas ela já foi acusada anteriormente por injúria.

Autor