PUBLICIDADE

Inquérito sobre a morte do menino Henry depende apenas de um laudo, que pode revelar as respostas pendentes

O inquérito deve ser encerrado em breve.

Os investigadores que atuam no caso Henry estão confiantes de que já existem elementos suficientes para encerrar o inquérito. Agora a única coisa pendente é o laudo do telefone de Jairinho, que foi apreendido logo antes da prisão.

PUBLICIDADE

Ao longo das últimas semanas, muitas informações foram reveladas pela perícia do telefone de Monique, inclusive diálogos com a babá, a empregada e a pediatra de Henry. No entanto, ainda faltam informações do que foi encontrado no telefone de Jairinho.

O vereador do Rio de Janeiro, hoje sem partido, é apontado como executor dos golpes que mataram Henry Borel, menino de apenas 4 anos, filho de Monique, com quem Jairinho vivia um relacionamento amoroso.

Monique, por sua vez, é apontada pela polícia como cúmplice do crime porque não agiu para preservar a vida do filho e, durante o começo das investigações, mentiu para proteger o namorado.

PUBLICIDADE

Ao longo das últimas semanas, a nova defesa de Monique tem tentado que ela seja ouvida pela polícia mais uma vez. No entanto, tudo indica que o delegado do caso não vai ouvir Monique uma segunda vez e estaria esperando apenas o laudo do telefone apreendido de Jairinho.

Jairinho tem escapado da atenção da mídia nas últimas semanas, já que apenas notícias relacionadas a Monique tem sido divulgadas. Um dos motivos disso é justamente a falta do laudo da perícia do telefone do vereador. No último dia 16, Jairinho precisou sair do presídio para receber atenção psiquiátrica.

PUBLICIDADE

Autor