PUBLICIDADE

Jovem de 17 anos morre de coronavírus depois de ir em festa da igreja e ser medicada pelos pais com hidroxicloroquina

Os pais chegaram a medicar a jovem por conta própria durante 1 semana antes de levarem a filha ao hospital.

A jovem Carsyn Davis, de 17 anos, já havia enfrentado a recuperação de um câncer, mas acabou contraindo a covid-19 e, por ter complicações imunológicas, não resistiu e faleceu.

PUBLICIDADE

Segundo informações do hospital, ela participou de uma festa em sua igreja e, após o ocorrido, contraiu o vírus. Na festa havia cerca de 100 pessoas, entretanto, a mesma não deveria ter acontecido, porque foi em pleno isolamento social. No evento, as pessoas não respeitaram o distanciamento, assim como não fizeram o uso de máscaras.

O médico que cuidou da jovem Davis disse que ela só foi levada para o hospital uma semana após apresentar vários sintomas da doença. Os pais da menina fizeram uso do medicamento hidroxicloroquina durante o período em que ela estava em casa, tratando a filha por conta própria.

Os médicos já estavam advertindo toda a população de que não deveriam ser tratados casos dessa forma, porque o medicamento poderia trazer consequências graves, como no caso desta jovem que perdeu a vida. Os Estados Unidos chegaram a emitir alertas contra a cloroquina, que não poderia ser automedicada, pois poderia causar problemas cardíacos e levar à morte.Segundo a Organização Mundial de Saúde, o uso deste medicamento não combate a covid-19 e é ineficaz para pacientes hospitalizados. O caso repercutiu nas redes sociais, em uma plataforma que trata sobre várias vítimas da covid-19.

PUBLICIDADE

Diversos médicos e cientistas condenaram essa ação tomada pela família, de por conta própria darem o medicamento hidroxicloroquina para a jovem. O correto a fazer é procurar um hospital e os médicos, de acordo com o resultado do exame e o quadro clínico do paciente, é que vão administrar todo o medicamento necessário.

Muitas pessoas enviaram mensagens para a adolescente quando esta ainda estava em tratamento. A mãe disse que ela sempre se manteve calma e segura e nunca reclamava de coisa alguma. A responsável também disse que a adolescente era uma cristã devota, seguidora de Jesus. A menina se envolvia e participava da Igreja da Juventude, da Primeira Assembléia de Deus da sua cidade.

PUBLICIDADE

Autor