PUBLICIDADE

Jovem de apenas 15 anos é executado friamente a tiros e família acusa Polícia Militar de SP

No último domingo (14), jovem de apenas 15 anos de idade desapareceu na Zona Sul de São Paulo. Ele foi encontrado morto horas depois com dois tiros na cabeça na cidade de Diadema, que fica no grande ABC Paulista.

Um crime sem solução está sendo um dos assuntos mais falados na mídia e nas redes sociais desde o último domingo (14), quando um jovem de apenas 15 anos de idade desapareceu na Zona Sul de São Paulo. Ele foi encontrado morto horas depois com dois tiros na cabeça na cidade de Diadema, que fica no grande ABC Paulista.

PUBLICIDADE

A família do adolescente que foi executado friamente suspeita do envolvimento de policiais militares de São Paulo. De acordo com o boletim de ocorrência divulgado, o corpo do jovem tinha sinais de espancamento. O nome do rapaz é Guilherme Silva Guedes, e a principal suspeita até o momento é que ele tenha sido executado.

Para ajudar a esclarecer os fatos, a PM está analisando um vídeo que foi gravado através de uma câmera de segurança em tentativa de identificar quem são as outras pessoas que estão nas imagens ao lado dele. No que pôde ser visto até o momento, ele sai de casa com um agasalho e conversa com outra pessoa antes de desaparecer.

A família de Guilherme está suspeitando da ação de policiais. “Alguém aprontou, veio no sentido dali, e como os caras [policiais] perderam o foco da pessoa, aí viram ele e quiseram achar um culpado” contou um dos tios do adolescente, Flávio Morim Bezerra.

PUBLICIDADE

Continua na próxima página

Sendo essa uma séria acusação feita pela família do falecido, a Polícia Civil e Militar apuram se existe tal hipótese no crime. Até o momento nada está sendo descartado na linha de investigação.

PUBLICIDADE

“A tarjeta. Não tem nenhuma indicação que pertence… não tem nenhum policial com aquele nome naquela região”, falou Alvaro Camilo, secretário executivo da Polícia Militar, em uma entrevista concedida para a imprensa. O coronel da Polícia Militar ressalta ainda que não foram localizados nenhum registro de operações da corporação no dia e no local em que o adolescente foi visto com vida pela última vez.

 

Autor