PUBLICIDADE

Jovem marca encontro com namorada virtual, mas ela não aparece; ele ficou três noites dormindo na rodoviária e policias o resgataram

Ele foi resgatado por policiais.

O estudante Matheus Quadros afirma ter conhecido o amor de sua vida na internet. Porém, os dois estavam separados por uma distância de mais de 1.000km, isso fez com que as redes sociais fossem o caminho para ambos se conhecerem melhor e criarem laços.

PUBLICIDADE

Matheus mora na região de Gravataí, no sul do Brasil. Enquanto, Luana, afirmava ser de Osasco, da região metropolitana de São Paulo.

Nestes dois anos de namoro virtual, o jovem não desistiu de encontrar aquela que achava ser sua amada. Realizou ‘bicos’ pela vizinhança, capinou lotes e conseguiu juntar uma certa quantidade de dinheiro.

Com o dinheiro na carteira, fez a viagem necessária para chegar a rodoviária do Tietê, em São Paulo. Ele esperava encontrar sua amada pela primeira vez de maneira presencial. Contudo, as coisas não ocorreram desta forma.

PUBLICIDADE

Matheus levou apenas roupas e um pacote de bolacha para sua viagem.

Em uma viagem de pouco mais de 20 horas, ele conseguiu chegar naquela que é considerada a maior cidade da América Latina.

PUBLICIDADE

Ele não avisou ninguém da sua família que tomaria um ônibus para São Paulo e apenas saiu.

Matheus mora com sua madrinha, Jocelaine, de 35 anos. Ele perdeu sua mãe quando ainda era criança e jamais conheceu o seu pai.

O jovem tinha combinado de conhecer sua amada Luana em um banco próximo ao desembarque. Supostamente, ela estaria lá com o seu pai. Além disso, nas fotos, aparecia uma jovem branca, magra e morena, de 16 anos.

A proposta seria que Matheus morasse na casa de Luana e trabalhasse em um mercado próximo em que o pai dela trabalhava. Tudo parecia um sonho.

PUBLICIDADE

Mas, ao chegar, as horas foram se passando e ninguém apareceu. Luana era a única pessoa que ele conhecia e ela não respondia suas mensagens.

Passando dias na rodoviária, dormindo no banco e pedindo comida aos viajantes, Matheus tentou se comunicar com a única pessoa que pensou que poderia ajudar. Ele fazia parte do Proerd, um programa de incentivo que visa deixar os jovens longe das drogas.

O policial Ávila deu aulas para o garoto. Ao receber sua ligação, reuniu seus contatos para juntar policias do Rio Grande do Sul e de São Paulo para fazer uma vaquinha com a intenção de que o jovem voltasse para casa e se alimentasse.

Ao retornar para sua casa, Matheus teve a certeza que sofreu um golpe. Agora ele afirma que irá terminar os seus estudos e se juntar na Brigada Militar.

Autor