PUBLICIDADE


Lembra do Maníaco do Parque, condenado há mais de 280 anos em SP? Agentes penitenciários contam como ele se comporta na prisão, além de seu medo da covid-19

Francisco chegou a matar 7 mulheres e estuprar outras 9.

Conhecido nacionalmente como “Maníaco do Parque”, o ex-motoboy Francisco de Assis Pereira, condenado pela Justiça brasileira há mais de 280 anos de prisão, está cumprindo pena na Penitenciária de Iaras, interior de São Paulo, desde que foi condenado em 5 de agosto de 1998, após tirar a vida de sete mulheres e violentar sexualmente outras nove, no estado de São Paulo.

PUBLICIDADE


Preso aos 30 anos de idade, hoje ele está com 52 e passa a maior parte de seus dias sozinho, no pátio do pavilhão 3 do presídio, fazendo crochê e tricô.

Segundo informações, ele não conversa com ninguém, não interage com os demais detentos e vive cabisbaixo, porém confecciona tolhas de mesa e conjuntos para banheiro e vende seus produtos para as famílias dos outros presos.

Mas agora com a chegada da pandemia, as visitas no presídio foram suspensas para se evitar aglomeração e contágio de covid-19. Com isso, Francisco segue confeccionando seu artesanato e armazena seus produtos manuais na esperança de que, quando tudo isso passar, ele possa voltar a vender aos visitantes.Ainda de acordo com as informações colhidas através dos agentes penitenciários, em entrevista ao site da UOL, sabe-se que o maníaco do parque se apegou à leitura da Bíblia Sagrda e não perde um só culto no pavimento onde fica sua cela. No momento de oração, ele ergue os braços e ora em silêncio.

PUBLICIDADE


Sedentário e obeso, com cerca de 100kg, Francisco agora diz ter medo de ser contaminar com o novo coronavírus. Na prisão, ele divide uma cela com outros 11 detentos, ou seja, eles dividem o mesmo banheiro e o mesmo espaço.

Confira abaixo algumas das vítimas do ex-motoboy Francisco de Assis Pereira, conhecido como o “Maníaco do Parque”. Em sequência, também segue a cronologia do caso que causou pavor e grande repercussão no Brasil e no mundo.

PUBLICIDADE


Fonte: G1
Fonte: G1

 

Autor