PUBLICIDADE


Marido é preso por agredir fisicamente sua esposa porque queria comer cocada e ela esqueceu de comprar o ralador de coco

O caso aconteceu no quilômetro 528 da Rodovia Régis Bittencourt.

A Polícia Federal prendeu um jovem logo após o mesmo espancar a esposa, próximo à Barra do Turvo, interior de São Paulo. A mulher contou para a polícia que o marido, quando ficou sabendo que ela havia esquecido de comprar um ralador de coco, começou a agredí-la.

PUBLICIDADE


O caso aconteceu no quilômetro 528 da Rodovia Régis Bittencourt. Segundo a polícia, eles foram até o local porque receberam uma denúncia anônima, relatando que havia um homem agredindo uma senhora.

Os policiais foram até o local e encontraram uma mulher de 46 anos, ela estava machucada e acompanhada do marido. Quando os agentes estavam prestando socorro a vítima, descobriram que as agressões começaram depois que o casal discutiu.

A mulher contou para a polícia que o marido começou a gritar com ela porque ela havia esquecido de comprar um ralador de coco. Nesse momento, ele começou a agredí-la verbalmente e depois deu um soco em seu rosto.

PUBLICIDADE


A polícia questionou o homem sobre o ocorrido e ele confirmou a agressão à esposa. Relatou que ficou nervoso porque queria que ela fizesse cocada como ela tinha falado para ele.

Os policiais levaram a mulher ao hospital e prenderam o homem em flagrante por violência. O caso foi apresentado à delegacia da Barra do Turvo.

PUBLICIDADE


O caso aconteceu no dia 30, terça-feira. Segundo a polícia, o rapaz será enquadrado de acordo com a lei Maria da Penha.

A lei Maria da Penha apresenta cinco tipos de violência contra a mulher: agressão física, moral, psicológica, sexual e patrimonial. Todas essas formas de agressão estão criminalizadas dentro da lei e são uma violação contra os direitos do ser humano.

Violência contra mulher é qualquer coisa que cause constrangimento, dando sofrimento físico, moral, político, econômico, risco de vida. Violência contra a mulher pode acontecer dentro de casa, entre quatro paredes, como em espaço público e é crime em todos os casos.

 

PUBLICIDADE


Autor