PUBLICIDADE

Médico afirma que o novo vírus descoberto é semelhante aos vírus das gripes que causaram as pandemias de 2008 e 1918

Segundo os estudos, ainda não há provas que o ser humano esteja imune a esse vírus.

Na terça-feira, dia 30, o médico conselheiro da Casa Branca, Anthony Fauci, declarou que o vírus encontrado nos porcos na China é parecido com o vírus da gripe que causou as pandemias em épocas passadas. Assim como surgiu a chamada gripe suína e a gripe espanhola, esse novo vírus é uma mutação do H1N1.

PUBLICIDADE

Os cientistas estão chamando de G4 EA H1N1. Depois de anos de estudo nos abatedouros chineses, cientistas tiveram essa descoberta. Até o momento, não há conhecimento de transmissão em seres humanos, mas é preciso estar em alerta.

O conselheiro em epidemiologia dos Estados Unidos explicou a parlamentares no Congresso dos Estados Unidos sobre o risco desse novo vírus ao ser humano. Ele afirmou que quando uma pessoa tem um novo vírus que pode se tornar uma doença pandêmica é porque ele sofreu uma mutação, uma reorganização ou mudanças de gens.

Fauci acrescentou que isso é um estudo, está sendo examinado, ainda não é uma ameaça porque não está acontecendo infecções. Mas todas as pessoas devem ficar atentas, da mesma forma que aconteceu em 2009, com a chamada gripe suína.

PUBLICIDADE

Na segunda-feira, várias opiniões a respeito desse novo vírus foram publicadas em uma revista científica chinesa por seus pesquisadores. Foram estudados milhões de porcos por mais de sete anos e descobriram que a ação do vírus se parece com uma gripe.

Segundo os estudos, ainda não há provas que o ser humano esteja imune a esse vírus, mas, de acordo com a descoberta, os laboratórios podem produz remédios para combater a doença e proteger o mundo de uma nova pandemia.

PUBLICIDADE

Por exemplo, quando a covid-19 foi descoberta, a doença já estava espalhada, o que deu condições para ela se proliferar em escala global. Mas, diante dessa nova doença, deve-se antecipar, produzir remédios e imunização, para que não se repita o mesmo erro que com o coronavírus.

 

Autor