PUBLICIDADE

Médicos induzem parto de paciente em coma com covid-19 no sexto mês de gestação; marido se apega na fé

O marido da jovem confirmou que o parto foi induzido por médicos e explicou que se trata de uma medida para evitar complicações que possam comprometer tanto a vida do bebê, quanto da mãe.

Patydan Castro está lutando no UTI pela própria vida. Aos 34 anos, grávida de 6 meses, a jovem estudante de Psicologia sofre com as consequências graves dessa infecção que vem virando o mundo de cabeça para baixo.

PUBLICIDADE

O marido da jovem, Raimundo Castro, confirmou que o parto foi induzido por médicos e explicou que se trata de uma medida para evitar complicações que possam comprometer tanto a vida do bebê, quanto da mãe.

Patydan já está há 20 dias internada em Rio Branco, Acre. Nos primeiros dias, ela ficou na enfermaria da emergência do hospital, mas com a evolução do quadro, os médicos avaliaram que era melhor levá-la para a UTI.

Já são 7 dias entubada na UTI sob cuidado intensivo. De acordo com os profissionais, para manter o bebê, Patydan se comprometeria mais.

PUBLICIDADE

“Para segurar o bebê, ela usa 30% da estrutura dela”, explicou o marido. Por isso, os médicos entenderam que o melhor seria induzir o parto e levar o bebê para a UTI neonatal, para que ambos os pacientes pudessem se recuperar.

Devido ao estado de saúde delicado da mulher, Raimundo ainda explicou ao G1 que não era possível realizar uma cesária e, por isso, os médicos estão ministrando remédios para induzir ao parto normal.

PUBLICIDADE

Apesar do cenário preocupante, o marido tentou manter a esperança e o otimismo. “Quando tirar o bebê, ela vai ter força”, afirmou. “Ela e o bebê vão ficar bem”, declarou. O homem mostra que tem fé e se apega a ela.

O casal já tem uma filha de 4 anos, Maria Valentina, e planejou a segunda gravidez. O nome do bebê será João Valente, para “seguir” o nome da irmã mais velha, como explicou o pai.

Raimundo também é médico e explica que vinha ficando em um hotel para evitar contato com a esposa e revela que ela tinha medo da doença. Ele acredita que a esposa contraiu a doença de uma secretária que prestava serviços ao casal.

Uma foto muito marcante mostra Raimundo em frente ao pronto socorro, com as mãos erguidas, realizando uma oração. “Acredito em Deus”, ele explicou. Castro, que também é médico, explicou que orou não só pela esposa, mas por todos no local.

PUBLICIDADE

Autor