PUBLICIDADE


Menino de 11 que comeu marmita envenenada ainda está internado e pai se queixa do atendimento

Anteriormente, o menino teve um pedido de transferência emitido pela Central de Regulação de Oferta de Serviços de Saúde.

Um menino de 11 anos está internado desde o dia 21 de julho. O menino foi uma das pessoas que comeu marmitas envenenadas, em Itapevi, São Paulo. O pai do menino, Flávio Araújo, afirma que o filho não tem apresentado melhora e se queixa do atendimento.

PUBLICIDADE


Araújo afirma que o filho precisa de atendimento neurológico e alega que o Hospital Geral Pirajussara não dispõe de um neurologista no quadro de profissionais. Ele afirma que o menino não tem apresentado melhora clínica e precisa de alteração nos medicamentos.

Anteriormente, o menino teve um pedido de transferência emitido pela Central de Regulação de Oferta de Serviços de Saúde. O pedido, no entanto, não resultou na transferência do menino porque foi negado pela Secretária de Saúde do Estado.

A Secretaria de Saúde alega que o menino tem a assistência multidisciplinar necessária no Hospital em que está internado. O pai alega que a informação não procede e desabafa sobre como tem sido as últimas semanas. “Minha casa agora é o hospital”, afirma.

PUBLICIDADE


Araújo afirma que o menino não consegue mais reconhecer a família e nem falar, além de sentir dores. Ele alega que voltou a pedir a transferência do filho, mas que não consegue nem mesmo uma resposta da Central de Regulação.

O caso envolvendo as marmitas envenenadas segue sendo investigado pela polícia civil. Além do menino, uma adolescente de 17 anos também comeu da marmita e teve alta para seguir se recuperando em casa.

PUBLICIDADE


 

Autor