PUBLICIDADE


Mesmo durante a pandemia, família decide seguir em frente com adoção de um menino de 12 anos: ‘não é motivo para desistir’

Por conta da pandemia, o desejo acabou sendo adiado devido a todos os riscos sanitários envolvidos. Mas não foi motivo para que Thaisa e Adriano desistissem do sonho.

Thaisa Aládia, de 30 anos, e o marido Adriano Lacerda, 39, decidiram ainda em janeiro que iriam ampliar a família. O casal já havia adotado há dois anos atrás as três filhas, irmãs biológicas que tinham 6, 10 e 14 anos na época da adoção.

PUBLICIDADE


No começo deste ano, eles decidiram repetir a dose e adotar novamente. Por conta da pandemia, o desejo acabou sendo adiado devido a todos os riscos sanitários envolvidos. Porém, não foi motivo para que Thaisa e Adriano desistissem do sonho.

Através de uma mobilização pelas redes sociais, o casal localizou um menino, de 12 anos, em Maravilha, Santa Catarina. Mesmo sendo de Uberlândia, Minas Gerais, eles não desanimaram. Os dois descobriram que ele tinha uma deficiência e seguiram adiante.

PUBLICIDADE


Thaisa explica que, enquanto casal, ela e o marido conversaram e chegaram a conclusão de que não poderiam fazer escolhas caso fosse um nascimento biológico. Então buscaram informações sobre o caso da criança.

O processo foi adiado duas vezes por conta da pandemia, mas o menino e a família já faziam encontros por videochamada. Ele estava ansioso, apesar de ter sido acompanhado pela psicóloga do abrigo do início ao fim do processo.

PUBLICIDADE


Finalmente chegou o dia e a família viajou 1.300 quilômetros de carro para encontrar o filho, em SC. O período de convivência tem sido um desafio por causa da pandemia, mas Thaisa e Adriano seguem encontrando uma rotina apropriada para a integração do menino à família.

Autor