PUBLICIDADE

Ministério Público Federal encontra possíveis indícios de lavagem de dinheiro em patrimônios do filho do presidente

Procurador do MPF no Rio de Janeiro aponta evidências de lavagem de dinheiro em bens do filho mais velho do presidente, Flávio Bolsonaro.

Flavio Bolsonaro é investigado desde o ano passado sobre o esquema de rachadinhas em seu gabinete na Alerj e também por lavagem de dinheiro. O procurador Sérgio Pinel afirmou ter encontrados muitos indícios da prática ilegal envolvendo o filho do presidente Jair Bolsonaro.

PUBLICIDADE

Após analisar toda a documentação dos bens de Flávio, o Procurador da República manifestou sua posição ao Ministério Público Federal, pedindo para que este caso seja transferido para o Ministério Público do Rio de Janeiro, pois consta como o local onde os crimes foram cometidos, argumentando que, portanto, os mesmos não se configuram como federais.

A 2ª Câmara de Coordenação e Revisão do Ministério Público Federal aceitou o pedido e encaminhará o caso para a procuradoria do Rio de Janeiro. É a primeira vez que alguém que investiga o caso fala a respeito sobre.

Não se pode esquecer que Flávio Bolsonaro aumentou seu patrimônio em mais de 300% em um curto período de 12 anos, o que torna o rápido enriquecimento incompatível com seus ganhos e recebimentos de seu cargo público.

PUBLICIDADE

Continua na próxima página

O deputado federal é o filho mais velho do presidente Jair Messias Bolsonaro e, como o pai e os irmãos,  está na política desde 2002. Ao ser eleito, ele declarou na época que seus bem se resumiam a um carro Gol 1.0.

PUBLICIDADE

Anos mais tarde, seu patrimônio triplicou e no ano de 2016 ele declara ter um patrimônio avaliado em mais de 1 milhão e meio de reais.

Ao todo, a família Bolsonaro, Jair e seus três filhos, possuem um patrimônio de mais de 15 milhões de reais, com pelo menos 13 imóveis constando em seus nomes.

É válido dizer que grande parte de sua família está presente no ramo da política e por isso estão sendo constantemente observados diante das falhas em suas decisões durante a pandemia do novo coronavírus.

Autor