PUBLICIDADE


Ministério Público do Paraguai pede liberdade para jogador Ronaldinho Gaúcho e seu irmão, presos há 5 meses; decisão agora cabe a Justiça

Advogados de defesa alegam que a promotoria não tem provas contra Ronaldinho e seu irmão.

O ex-jogador Ronaldinho Gaúcho segue preso no Paraguai, ao lado do irmão Assis. Os dois estão detidos em regime preventivo há mais de 5 meses, quando foram pegos entrando no país com documentos falsos. Recentemente, o Ministério Público apresentou pedido de liberdade.

PUBLICIDADE


O caso teve as investigações encerradas e agora o MP do Paraguai acredita que os irmãos possam ser libertados condicionalmente. Ronaldinho chegou a ser levado para o presídio, mas foi encaminhado para prisão domiciliar por conta da pandemia.

Os dois, Ronaldinho e Roberto, estão hospedados em um hotel onde cumprem a prisão. De acordo com os advogados de defesa, os irmãos usaram o documento falso sem ter conhecimento de que foram adulterados.

Ronaldinho tem passaporte brasileiro e espanhol, além disso, poderia entrar no Paraguai apenas com seu documento de RG, assim como seu irmão, por conta dos acordos de imigração assinados por países da América do Sul.

PUBLICIDADE


Os promotores do caso avaliam que os irmãos não serão indiciados, mas sugerem que os dois paguem multa. Para Ronaldinho, a multa proposta é de US$ 90 mil, enquanto Assis deve ser cobrado em US$ 110 mil.

O caso chamou a atenção do país porque se tornou um problema estatal, quando funcionários do governo foram apontados como envolvidos em um suposto esquema de corrupção e lavagem de dinheiro.

PUBLICIDADE


Ronaldinho e o irmão Assis esperam a decisão da Justiça para conseguirem autorização para deixarem o país legalmente.

Autor