PUBLICIDADE

Ministro faz grande esclarecimento sobre novo auxílio emergencial e preocupa brasileiros

Declarações do ministro da Cidadania trouxeram apreensão.

Uma afirmação do ministro da Cidadania, João Roma, trouxe uma grande tranquilidade para a maioria dos brasileiros. A declaração, no entanto, também pode representar apreensão para uma outra parte de cidadãos preocupados com o novo auxílio.

PUBLICIDADE

A grande preocupação agora é sobre o cadastro para recebimento do benefício, mas Roma reconheceu que o cadastro provavelmente será reaproveitado. O problema, no entanto, é que a estimativa é que 46 milhões de brasileiros sejam contemplados, número inferior ao de beneficiados do ano passado.

Roma reconheceu que não haveria tempo para promover um novo cadastro e que a ideia é pagar o benefício o mais rapidamente possível. Ainda de acordo com Roma, uma principal mudança também é o número de beneficiados por família.

De acordo com o ministro, o número caiu para 46 milhões de brasileiros porque, dessa vez, o auxílio será pago a apenas um representante de cada família. Este novo número foi encontrado através das bases do governo, como o Cadastro Único.

PUBLICIDADE

A informação, no entanto, gera preocupação aos “brasileiros invisíveis”, ou seja, aqueles que não trabalham formalmente e também não estão incluídos em programas sociais. Neste caso, o auxílio não será pago a essas pessoas porque não haverá novo cadastro.

O governo já admite voltar a pagar o auxílio emergencial, no entanto, as parcelas serão menores e o número de beneficiados também será menor. Roma afirmou que o governo estuda abrir um sistema de contestação, mas que ainda não é certo.

PUBLICIDADE

Autor