PUBLICIDADE


Mulher é acusada de asfixiar filho autista: ‘ela vinha lutando para atender as necessidades da criança’

Olga é acusada de enrolar o corpo do filho em um edredom e deita-lo próximo aos brinquedos.

As investigações acerca da morte de um menino de 10 anos, em Acton, Reino Unido, acabou levando a polícia em direção a uma descoberta chocante. A acusada de ter tirado a vida da criança é a própria mãe, Olga Freeman, de 40 anos.

PUBLICIDADE


Freeman teria usado uma esponja de louça para sufocar a criança. Depois, o corpo do menino foi enrolado em um edredom da casa e colocado próximo aos brinquedos dele. O crime teria acontecido dentro da casa da família.

De acordo com vizinhos, ouvidos nas investigações, mãe e filho não costumavam sair muito e, no máximo, podiam ser vistos no jardim da casa algumas vezes. O menino, que era diagnosticado com um grau severo de autismo, também era cadeirante.

Durante a audiência, a situação emocional e psicológica de Olga Freeman foi levada em consideração. A promotoria chegou a reconhecer que a situação da mãe piorou durante a quarentena, já que o menino não podia mais ir a escola ou participar de outras atividades.

PUBLICIDADE


A criança, de 10 anos, não falava e, de acordo com vizinhos, se comunicava através de gritos. A perícia encontrou pedaços de esponja na garganta do menino e determinado que a causa da morte foi bloqueio das vias aéreas.

O pai, Dean Freeman, estava na Espanha e lamentou a morte do filho. Dean compartilhou que o filho sempre foi uma criança “brilhante e linda”. Dean é conhecido no país por ser fotógrafo e já ter trabalhado com algumas personalidades.

PUBLICIDADE


Autor