PUBLICIDADE

Mulher que chamou a polícia falsamente contra homem negro vai responder pelo crime; relembre o caso

O parque proíbe o passeio de cães fora da guia e, portanto, a mulher estava errada quando foi cobrada pelo rapaz.

Em maio, no pico das manifestações antirracistas nos Estados Unidos, um vídeo gerou grande revolta em Nova Iorque. Uma mulher branca caminhava pelo Parque com seu cachorro fora da coleira, quando um homem a abordou e pediu que ela prendesse o cachorro.

PUBLICIDADE

O parque proíbe o passeio de cães fora da guia e, portanto, a mulher estava errada quando foi cobrada pelo rapaz. O problema, no entanto, é que o rapaz era negro enquanto a mulher era branca. O vídeo mostra o momento em que ela surta com o rapaz.

Christian Cooper recorreu ao telefone celular para filmar o momento em que Amy Cooper começa a ameaça-lo e se recusar a prender o cachorro. Ela ameaça a chamar a polícia, então Christian a desafia a chamar a polícia e segue pedindo que ela prenda seu cachorro.

O vídeo acabou gerando revolta pelas redes sociais porque muitas pessoas condenaram a atitude de Amy que, mesmo estando errada, se sentiu no direito de chamar a polícia contra Christian apenas por ele ser um homem negro.Outras pessoas destacaram o aparente estado de pânico que a mulher demostra no vídeo e levantaram a hipótese de que ela talvez já tenha tido experiências de agressão por homens. Mas seja como for, Christian apenas pedia que ela prendesse seu cachorro, ele nem se aproximou dela.

PUBLICIDADE

Além disso, na ligação para a polícia ela chega a dizer que o homem ameaçava sua vida e destaca que se tratava de um homem negro.

No entanto, o vídeo filmado por Christian mostra que ele não estava ameaçando a mulher no momento em que ela liga para a polícia, mas apenas pedindo que ela seguisse as regras de convivência do parque.

PUBLICIDADE

Com a repercussão do caso, Amy acabou sendo demitida e emitiu um pedido de desculpas. Ela agora foi formalmente denunciada pelo contravenção de falsa denúncia e será indiciada em Outubro. Quem confirma a informação é a própria promotoria de Nova Iorque.

Assista ao vídeo:

Autor