PUBLICIDADE


Pesquisadores israelenses criam bafômetro que detecta coronavírus em 1 minuto

O novo teste, uma espécie de bafômetro, desenvolvido em Israel, na Universidade Ben-Gurion, promete uma nova forma de testagem, de apenas um minuto e custando apenas 50 dólares.

Um teste rápido desenvolvido pela Universidade Ben-Gurion, em Israel, promete facilitar e baratear a testagem contra o coronavírus em todo o mundo. Atualmente, existem dois modelos de teste: o sorológico, que revela se uma pessoa possui anticorpos contra o vírus (ou seja, se foi contaminada em algum momento) e o PCR, que avaliar uma amostra coletada do nariz ou garganta do paciente e revela se a pessoa possui o vírus ativo no corpo.

PUBLICIDADE


O novo teste, uma espécie de bafômetro, desenvolvido em Israel, na Universidade Ben-Gurion, promete uma nova forma de testagem, de apenas um minuto e custando apenas 50 dólares.  Gabby Sarusi, professor e coordenador da pesquisa, explica um pouco de como funciona o aparelho.O método foi aplicado em 120 pessoas e apresentou uma precisão de 90%.

A pesquisa, que recebe incentivo do Ministério da Defesa do país, elaborou um teste que não exige transporte ou manuseio específico. Assim como os bafômetros usados em operações de Lei Seca, por exemplo, o bafômetro do covid-19 não depende de análise laboratorial. Sendo assim, a pessoa assopra, o aparelho realiza a testagem e, em um minuto, aponta a presença ou ausência do vírus.

A ideia é que o aparelho seja adotado em aeroportos, por exemplo, facilitando a vida do viajante. Atualmente, países como Espanha e Reuno Unido, por exemplo, estudam a quarentena compulsória de todos viajante pelo período de 14 dias. Com o teste, seria possível isolar apenas os contaminados e liberar o trânsito de quem não apresenta o vírus.

PUBLICIDADE


A Universidade planeja apresentar o projeto a FDA, agência reguladora estadunidense, dentro de um mês e meio. Além disso, os pesquisadores desenvolvem um protótipo e o desenho do bafômetro. Ao invés de vender a unidades, é possível que a Universidade venda licença de uso do protótipo para diferentes regiões do mundo, o que facilitaria a logística, por exemplo.

Autor