PUBLICIDADE


Presidente Jair Bolsonaro assina MP que libera quase R$ 2 bilhões para viabilização de vacina contra covid-19

A Fiocruz é quem coordena a pesquisa em território nacional e articulação com as instituições internacionais. A expectativa é de que 100 milhões de doses sejam produzidas antecipadamente.

O Governo Federal decidiu investir cerca de R$ 1,3 bilhão na imunização desenvolvida pela Universidade de Oxford, em conjunto com a AstraZeneca. A vacina já esta em estágio avançado de desenvolvimento e teve uma fase de teste realizada no Brasil.

PUBLICIDADE


A Fiocruz é quem coordena a pesquisa em território nacional e a articulação com as instituições internacionais. A expectativa é de que 100 milhões de doses sejam produzidas antecipadamente, segundo informações do Ministério da Saúde.

Esse é o mesmo lote anunciado ao fim de junho, quando um acordo havia sido fechado. A Fiocruz é fundamental no quebra-cabeça logístico porque caberá a Fundação a missão de produzir a vacina em solo brasileiro a partir da tecnologia inglesa.

O presidente Bolsonaro falou sobre a possibilidade de ter vacina já em janeiro e afirmou que a contrapartida brasileira é basicamente financeira. Se a vacina inglesa for viável já no começo do ano, a Fiocruz vai ter partido na frente.

PUBLICIDADE


Além da iniciativa do governo federal, o governo do estado de São Paulo também tem uma parceria direta com outra pesquisa internacional. Através do Butantan, o governo de São Paulo articula a parceria com a chinesa Sinovac Biotech.

O investimento é um risco que diversos países estão assumindo em busca de ter condições próprias de fabricar a vacina e não ficar refém da importação das doses. O risco é de que, mesmo com o investimento, as vacinas não se concretizem como viáveis no fim das contas.

PUBLICIDADE


Autor