PUBLICIDADE


Separadas na maternidade: casal adota menina e dois anos depois encontra irmã gêmea da filha

Alice nasceu com um problema de saúde e acabou sendo abandonada pela família biológica. Dois anos depois, o casal foi notificado sobre a irmã gêmea.

O casal Ana Cristina Almeida e Júlio Ramos não imaginava que a família aumentaria de uma forma tão especial e inesperada como acabou acontecendo. O casal havia adotado, há dois anos, a pequena Alice e não imaginava que a irmã dela acabaria integrando a família.

PUBLICIDADE


Alice nasceu com um problema de saúde e acabou sendo abandonada pela família biológica. Ana e Júlio sabiam que existia outra criança, mas Aline havia ficado sob tutela da família biológica então a adoção dela não era algo concreto.

As gêmeas nasceram em Teixeira de Freitas, mas foram separadas logo na maternidade. Alice seguiu para o Hospital da Criança, em Feira de Santana, onde foi encontrada por Ana Cristina, que trabalhava na unidade. Aline permaneceu com a família biológica.

Ana Cristina é assistente social e foi quem primeiro manifestou o desejo de adotar Alice, o marido mergulhou na ideia. Alice já estava com a família há mais de um ano quando Aline foi encontrada, vivendo em um abrigo depois de também ter sido abandonada.

PUBLICIDADE


Como o principal interesse da Justiça brasileira é manter as irmãs unidas, Ana Cristina e Júlio foram notificados. Nessa época, Ana estava grávida de Pedro, o caçula da família. Logo, o processo de adoção de Aline também foi aberto. A menina estava em um abrigo, em Teixeira de Freitas, no sul da Bahia.

O casal conta com ajuda da família e amigos próximos para conseguir dar conta das 3 crianças. Júlio comentou sobre a situação e avaliou que o que as crianças mais precisam é atenção, embora como pai ele queira proporcionar o melhor material também.

PUBLICIDADE


No “susto”, em dois anos, o casal viu a família crescer e hoje tem três filhos saudáveis. Alice e Aline agora vivem juntas, depois de anos de incerteza.

Autor