PUBLICIDADE


Travesti é acusada de usar o Tinder para extorquir dinheiro nos encontros marcados

Os policiais acreditam que as vítimas tinham vergonha de denunciar, até que um rapaz foi à delegacia.

Na manhã desta última quinta-feira (03), policiais da 12ª DP, Copacabana, prenderam uma travesti que está sendo acusada de usar o Tinder para marcar encontros e aplicar golpes visando extorquir dinheiro das vítimas, chegando também a ameaçá-las.

PUBLICIDADE


Priscila teria feito um homem refém por cerca de três horas um dia antes de ser presa. Ela usou uma faca para obrigar o rapaz de 24 anos a transferir R$ 2,1 mil para uma conta bancária. O garoto só conseguiu ser liberado depois que sua mãe pagou o que estava sendo exigido.

A vítima foi até a delegacia e registrou um boletim de ocorrência, assim os policiais começaram a investigar e já descobriram que esses golpes vinham sendo aplicados desde 2017. As vítimas descobriam que Priscila era travesti somente quando chegavam ao local marcado para o encontro.

Priscila exigia um pagamento das pessoas que enganava e os valores exorbitantes eram pagos por elas ou seus familiares, enquanto as ameaças eram feitas. Os policiais acreditam que o caso não tinha sido descoberto ainda porque as pessoas teriam vergonha de registrar a denúncia.

PUBLICIDADE


Agora, o suspeito responderá por roubo qualificado, além de restrição de liberdade e pelo emprego de arma branca.

Valéria Aragão, delegada responsável pelo caso, explicou que o Tinder pode se tornar uma arma perigosa nas mãos de criminosos. Por isso, os usuários do aplicativo precisam tomar muito cuidado e, se caírem em algum golpe não podem ter vergonha de denunciar à delegacia.

PUBLICIDADE


Autor