PUBLICIDADE


União Europeia aprova vacina contra o Ebola que usa mesmo mecanismo testado contra o coronavírus

A vacina usa uma tecnologia de vetor viral, que também vem sendo testada contra o coronavírus e é usada nos estudos para vacinas contra Zika e HIV.

O mundo lida com a pandemia de coronavírus, mas muitas regiões do globo, além da doença, têm também que lidar com problemas regionais. Recentemente, por exemplo, o Sul do Brasil foi atingido por um temporal de gravidade assustadora.

PUBLICIDADE


Paralelo à covid-19, um dos problemas de interesse internacional é o Ebola. O vírus atingiu mais gravemente países da África e, ainda hoje, é considerado uma epidemia em algumas nações. Atualmente, uma boa notícia parece estar finalmente próxima de ser realidade.

No ano passado, a primeira vacina contra o Ebola foi aprovada, o que já foi um sinal de superação da doença. Agora, a União Européia aprovou o uso de uma vacina que faz uso da mesma tecnologia que vem sendo testada na vacina contra a covid-19.

A entidade espera que a OMS aprove a vacina para que a imunização seja distribuída para regiões onde ainda existe o surto ativo da doença, especialmente na África. A vacina é voltada para indivíduos acima de 1 ano de idade e oferece imunização duradoura.

PUBLICIDADE


A vacina, produzida pela belga Janssen, é a primeira a ser aprovada pela União Europeia. A imunização usa uma tecnologia de vetor viral, que também vem sendo testada contra o coronavírus e é igualmente usada nos estudos para vacinas contra Zika e HIV.

Atualmente, existem dois surtos de Ebola ativos no mundo, exatamente na República Democrática do Congo. No país, o surto tem taxa de mortalidade que chega a 65%, já tendo matado cerca de 2 mil pessoas. O protocolo prevê duas aplicações, com intervalo de 8 semanas entre cada uma.

PUBLICIDADE


Vacina contra a covid-19

Hoje, uma das vacinas mais promissoras contra a doença sendo estudadas é da Universidade de Oxford, que chegou a ter dosagens testadas no Brasil.

Por enquanto, foram duas testagens conduzidas em São Paulo e Rio de Janeiro. O Brasil fechou parceria com a instituição para produção de novas doses.

Autor