PUBLICIDADE


Valores poderão ser devolvidos em contas de luz muito acima da média em São Paulo

Enel retoma o trabalho dos leituristas presenciais na grande São Paulo de outros jeitos inusitados.

Desde que foi decretada a pandemia do novo coronavírus no Brasil, em 11 de março de 2020, vários trabalhos tiveram que ser suspensos. A orientação daquele momento era manter em funcionamento apenas os serviços considerados como essenciais, tais como: supermercados, farmácias, bancos e loterias.

PUBLICIDADE


Alguns desses serviços suspensos estão os de leituristas presenciais das contas de luz de São Paulo, estado mais atingido pelo coronavírus em todo o Brasil. A Enel, responsável pela emissão das contas de luzes dos habitantes da capital teve que encontrar uma nova forma de fazer a medição do consumo mensal de cada casa.

Com a falta do leiturista para exercer tal função, a empresa realizou dois tipos de medições: uma em que o próprio morador da casa retirava foto do seu padrão de luz registrando a quantidade de quilowatts consumido durante o mês e enviava para a empresa para que essa pudesse realizar o cálculo do valor.

A outra forma encontrada pela Enel, quando essa opção anterior não era viável, é retirar a média de consumo da casa da pessoa pelos últimos 12 meses.

PUBLICIDADE


Dessa última maneira, a empresa registrou inúmeras reclamações vindas dos consumidores, que alegavam ter recebidos contas muito mais caras que o habitual.

Como forma de sanar o problema, a empresa de distribuição de energia do estado orientou os consumidores que procurassem o Procon, em hipótese de que tenham se sentindo lesados pelo alto valor cobrado. A Enel também se prontificou em ressarcir o valor, caso algumas contas tenham vindo com cálculos acima da média.

PUBLICIDADE


Para as pessoas que não puderam pagar suas contas de luzes no período crítico da pandemia, a distribuidora disponibilizou uma forma de negociação e parcelamento da dívida sem acréscimo de juros.

Vale destacar que, por conta do isolamento social, muitos brasileiros estão desempregados, então as dívidas estão cada vez mais acumuladas, além das dificuldades se manterem e as vezes até crescerem.

Autor